domingo, agosto 26, 2012

PORTO DE HONRA NA RECEPÇÃO AOS...ADEPTOS.


             Liga Zon Sagres

             Estádio do Dragão

              2012.08.25

                      FUTEBOL CLUBE DO PORTO, 4 - Vitória de Guimarães, 0

              VENCER E CONVENCER.

               Não encheu totalmente o Mais-Belo-Estádio-da-Europa mas o salão de festas onde a equipa recebeu os trinta e cinco mil quinhentos e três espectadores que ontem se deslocaram ao Dragão para o primeiro jogo da época, proporcionou-lhes a oportunidade de assistirem a uma surpreendente exibição do bi-campeão nacional, que, deste modo, superou com brilhantismo os efeitos negativos causados pelo indigesto galo de Barcelos, há oito dias atrás.

              Antes de mais, e porque este post sobre o jogo só mais logo ficará concluído, devo dizer que a vitória do Futebol Clube do Porto sobre o Vitória de Guimarães não oferece qualquer controvérsia, tal foi a superioridade evidenciada sobre o seu adversário de ontem em todos os itens e em todo o tempo de jogo. Vitória, pois, clara e inequívoca em consequência do futebol praticado, da disponibilidade dos jogadores para encarar a partida com muita seriedade e responsabilidade, da categoria de algumas excelentes exibições individuais, dos golos marcados, do equilíbrio que a equipa demonstrou e do acerto do treinador nas decisões tomadas.

 http://2.bp.blogspot.com/-bV6MidM7pBs/UDogbla_UII/AAAAAAAANxY/fTcOaficsHM/s1600/20120826-oJogo.jpg

              A goleada, porém, que sempre atira para segundo plano e minimiza as insatisfações e dúvidas passadas, não deve contribuir para escamotear o que, para além dela e dos efeitos benéficos que produz na auto estima dos adeptos, poderá ainda vir a ser melhorado substancialmente.

             Quando Lucho bateu Douglas, pela primeira vez, aproveitando uma bola de ressaca à entrada do centro da área, já o golo vinha a ser adivinhado muito antes face à frequência com que a bola andava nas imediações da baliza vimaranence. Andava, mas nem sempre Sandro e Atsu, pelo lado esquerdo, e, Danilo e Hulk, do lado contrário, davam o melhor seguimento aos lances criados, ou por mérito dos defesas que se lhes opunham ou, outras vezes, por falharem a finta ou drible para escapar-lhes. Moutinho, sempre muito activo como nos seus melhores dias, nem sempre definia como conviria o passe para os avançados e, Jackson, quando não tinha apoio por perto, não criava oportunidades para atirar ao golo. Fê-lo uma vez, a despropósito, sem causar perigo.

            Aos 33' minutos o Miguel, dono do apito, deu o seu contributo para a confraria dos anti-dragões, e, tal como o seu confrade Gomes, em Barcelos, levou para oferecer aos seus amigos alfacinhas mais um roubo de um penalti, quando, bem à frente dos seus olhos, um defesa dos visitantes impediu com os braços uma remate de chegar à baliza. E vão dois, para memória futura, em igual número de jornadas. Mouros rascas, ladrões contumazes.




            O cariz de jogo não se alterou até ao intervalo, com o Porto dono e senhor do relvado, mas com os brancos de Guimarães ainda longe da capitulação e sempre à espera que a sorte lhes permitisse bater Helton. E quase o conseguiam, em duas vezes que estiveram perto de aproveitar deslizes nossos.

           O intervalo trouxe um Guimarães mais afoito e atrevido e, nos primeiro quinze minutos a nossa equipa pareceu surpreendida perpassando para a bancada a sensação de que o Vitória poderia estar a preparar uma surpresa inoportuna. Em duas ocasiões sucessivas, o empate poderia ter surgido se a bola rematada na sequência de um canto não tivesse ido dirigida à figura de Helton.

           Com o golo, "à Hulk", surgido na típica jogada do Incrível e no local onde nunca falha o remate fatal, o Futebol Clube do Porto, deu início ao festival de futebol que haveria de ser a imagem que marcou todos os que viram o jogo. Domínio total e absoluto da partida, criatividade dos criativos, remates à baliza, sucessão de faltas para travar o jogo, mais um golo de Lucho a aparecer na recarga a um remate de Atsu, um penalti à Panenka, show de bola e um Guimarães de rastos pedindo misericórdia aos deuses para aplacar o Dragão impiedoso.



           Lucho foi, sim, o homem do jogo, porque esteve em todo o campo recuperando e criando com a classe dos eleitos, e pelos dois golos (importantes) conseguidos. Hulk, logo a seguir, ou mesmo ao lado, como nos habituou; Moutinho, perto do Messinho que conhecemos nos melhores momentos. Maicon, cada vez mais senhor e, Otamendi, desta vez sem pecado. Fernando, o polvo do costume, quase comprometia num descuido reparado a seguir.


           A chamada de Danilo, Sandro e Atsu, teve o condão de estabilizar o porta-aviões azul e branco colocando-o na rota que o levará até ao Pacífico, caso escape a qualquer furacão que possa ainda surgir...lá da Rússia ou outras paragens perigosas. Os brasileiros, mais Danilo que Sandro, (tem que rapidamente aprender a soltar a bola a tempo) têm muita "quolidade" e em breve farão o nosso contentamento. ATSU, bem, Christian vai ser um caso (muito) sério. Que jóia!

            Ao Jámes fez (muito) bem passar pelo banco. Que raiva, rapaz! Calma, menino, não precisas provar nada. Não há já ninguém por essa Europa fora que não sonhe contigo. Chegará o teu momento.

            Varela, entrou bem no jogo e Défour, pelo tempo e momento que a equipa já vivia quando chegou ao jogo, passou despercebido.

            Atenção amigos portistas. O Porto jogou bem, marcou quatro golos e recuperou a auto-estima. Reparem: o jogo era no Dragão, a equipa precisava de justificar-se aos adeptos, e o adversário é, neste momento, uma formação ainda em construção, macia, com jogadores novos e inexperientes. Os vimaranences não foram excessivamente agressivos nem defensivos e deram deliberadamente muito campo ao FC Porto, o que facilitou a nossa predisposição ofensiva. Vítor Pereira escalonou a equipa  para jogar ao ataque e jogou desse modo. Como será em jogos em que for aconselhável defender? Será que Danilo e Alex Sandro podem desempenhar bem as funções de defesa e de atacantes contra equipas mais poderosas e perigosas? Como será já em Olhão, na próxima jornada?


                Depois de um longo período sem ir ao Dragão, foi um regalo ter presenciado ao vivo um jogo de futebol. Podem descobrir ecrãs gigantes, altas definições, colocar dezenas de câmaras, fazer replay, contratar comentadores "especializados", saborear um bom wisky: FUTEBOL É NO ESTÁDIO, NO CAMPO PELADO, NA RUA, visto, interpretado e vivido por quem gosta realmente de futebol autêntico.
                

Dragões goleiam, lideram e cumprem 46 meses sem perder



5 comentários:

  1. Bom dia,

    O FC Porto presenteou os seus adeptos com uma exibição consistente, com domínio e controlo absoluto de um adversário impotente para travar a avalanche ofensiva, sob o comando de Lucho, com a classe de Hulk e a magia de Atsu.
    Foram só quatro, mas o Vitória arriscou-se a ser humilhado no Dragão.
    Desde de VP sentou o "cú no mocho", esta foi a melhor exibição da nossa equipa, e porquê?
    Dinâmica, Domínio e Lucho ... e colocou as peças no lugar certo!
    O nosso miolo foi dinâmico, ao contrário do jogo em Barcelos, fizemos circular a bola ao invés de correr com ela.
    Tivemos dois verdadeiros laterais de qualidade, que subiram no corredor, que criaram desequilíbrios. As constantes trocas de posição entre os médios e os extremos, com os laterais em apoio, é a dinâmica que nós portistas ansiávamos à muito.
    Atsu aqui e ali criou lances mágicos, deixando o capitão vimaranense envergonhado perante tal afronta. Atsu é o verdadeiro extremo do plantel. Ao contrário dos seus colegas de sector, não finta e foge para dentro, finta em progressão deixando o lateral adversário como uma barata tonta, pois nas suas costas aparecia Alex Sandro a explorar aquele espaço deixado pelo jovem ganês.
    É no espaço entre o lateral e o central que se criam mais desequilíbrios numa defensiva contrária.
    Uma palavra para Hulk que nos últimos dias tem visto o seu nome nos jornais, mas que tem grande tolinha e demonstrou mais uma vez ser um grande profissional.
    Hulk a sair do nosso Porto merece um clube e um campeonato compatível com a sua qualidade.
    Os adeptos nas bancadas mereceram esta boa exibição.
    Esperámos pois que a equipa agora não caia na bipolaridade patenteada na época passada.
    Temos um excelente plantel, e temos tudo para ser tri campeões, para tal basta humildade e Ser Porto dentro e fora do campo.
    James teve uma pequena lição, ficou no banco e viu Atsu a dizer presente. Não se pode querer o céu rápido demais.
    Faltam poucos dias para o fecho de mercado e para a definição do plantel.
    Iturbe parece ser carta fora do baralho, após mais uma semana de twi"tanso". Nem com o "tutor" Lucho, o jovem argentino aprendeu o que a casa gasta, por conseguinte será salutar o seu empréstimo para que desça à terra.

    Bom domingo.
    Abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Uma bela exibição cujo resultado peca por escasso tão demolidor foi a superioridade portista. Não foi assim o tempo todo. Nos primeiros 20 minutos da segunda parte os jogadores voltaram ao registo de Barcelos, mas sob a batuta de Lucho (que bela exibição)os Dragões acordaram e voltaram aos atributos da primeira parte, desta vez com mais pontaria.

    Depois dos primeiros 15 minutos de jogo nunca tive dúvidas da vitória portista. A jogar daquela maneira era quase impossível não ganharem. Os Campeões nacionais dominaram em toda a linha e nunca deixaram os jogadores do Vitória pôr o pé em ramo verde, mesmo nos tais 20 minutos de «ausência».

    Vítor Pereira desta vez não inventou e colocou os jogadores nos seus lugares, utilizando (a meu ver) os que, de momento, garantem um melhor rendimento. Parabéns também para ele.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Apesar do penalti que nos foi tirado ainda na 1ª parte, o F. C. Porto desta vez não deu hipóteses, teve atitude e partiu a loiça toda... das cantarinhas de Guimarães.

    ResponderEliminar
  4. E agora, caro Remígio? Não dá para fazer um esforço e aparecer sempre?
    Foi, de facto, muito bom e uma prova que se houver atitude, rapidez a pensar e a executar, as coisas ficam mais fáceis, mas tem que ser sempre este o espírito, não podemos passar do 8 para o 80 e novamente para o 8.

    Gostei de o rever, um abraço

    ResponderEliminar