quinta-feira, julho 31, 2014

PEQUEÑO.

VAMOS APRENDER A CANTAR O HINO EM ESPANHOL.

          

              O Futebol Clube do Porto está a proceder a uma mudança de cima abaixo no plantel, com Julen Lopetegui e a sua equipa de compatriotas à frente de um extenso grupo onde a língua espanhola é esmagadoramente dominante. 

              Perante aquela realidade faz sentido que os cânticos e apoios à equipa no estádio do Dragão pelas claques e apoiantes sejam adaptados à realidade, de forma a que os jogadores e o técnico se sintam como que em casa e entendam as letras das músicas que ouvem, principiando pelo lindíssimo hino cantada pela nosso Amélia Canossa.


             Então, vamos lá:

                HINO DO FUTEBOL CLUBE DO PORTO

oh, Porto, donde la eterna juventud
Nos dice lo que es ser noble y leal.
Su bandera lleva el escudo de la ciudad
Que la historia le dio el nombre a Portugal.

CORO:

Oh, campeón, tu pasado
Es un libro de honor sin par de victorias
Sus armas bendecidas
Puerto tiene en su más de un arco de triunfo
Oporto, Oporto, Porto,
Oporto, Oporto, Porto,
Porto,

Cuando alguien se atreve a ahogarse
El grito audaz de ardor de tu voz
Oh, Oh, Puerto, entonces verás vibrar
La multitud sólo un grito de todos nosotros


Oh, campeon, tu passado 
...... 

                    Qué tal? Facile, non?

                 Pois se já cantávamos assim



               mais fácil e fazê-lo em espanhol.

segunda-feira, julho 28, 2014

BONS OVOS JÁ HÁ.

Apresentação do plantel para a época de 2014/2015
Estádio do Dragão -Assistência: 46 211 espectadores

2014.07.27  



O Jogo
                                         
                            FC DO PORTO, 0 - Saint Étienne, 0

                      Deu esta apresentação para ver que o Futebol Clube do Porto tem um lote de jogadores de excelente qualidade, que novas ideias estão a ser implementadas na filosofia de jogo, que há uma forte entrega por parte dos jogadores, que algumas coisas boas foram mostradas e outras menos boas que ainda andam por lá, um treinador interventivo que foi para esta apresentação com um plano e o cumpriu, que pareceu evidente os efeitos da carga de treinos a que os jogadores vêm a ser sujeitos, e, por fim, que os sócios e simpatizantes do FC do Porto vão ter que aguardar com paciência algum tempo mais para ter a certeza que estamos a caminho de ter uma grande equipa!

                      A partida de ontem à noite foi mais difícil do que muitos esperariam. Os franceses do Saint Ettiènne mostraram ser uma equipa em estado de preparação mais avançado do que a nossa, têm uma mão cheia de excelentes executantes, praticaram bom futebol e foram superiores, como equipa e criaram mais e melhores oportunidades de fazer golos.

                     O FC do Porto apresentou-se inicialmente com Fabiano, que esteve na baliza de princípio ao fim e bem; Danilo, finalmente a dar uma melhor ideia do que vale, Maicon e Reyes, certos e aplicados, Alex Sandro não muito diferente do passado, o jovem de 17 anos Rúben Neves a mostrar que quer e vai ser grande, Herrera com bons ares do mundial, Oliver Torres a dar nas vista pelas suas intervenções no jogo de ataque, Quaresma a jogar sem ser para ele, Sami muito esforçado mas menos espectacular por inadaptação (talvez) à posição que ocupou ou por não lhe ter corrido bem o jogo e Ricardo, muito esforçado a fazer pela vidinha.

                    Entraram para o segundo tempo Casemiro, Bahrami, Oliver Torres, Quintero, Tello, Adrián Lopes e Kélvin e, nem sei se outros mais. Como equipa o FC do Porto não fez melhor do que tinha feito e os franceses dispuseram de boas ocasiões de golo. Fabiano, por si, manteve o zero e a invencibilidade nesta fase preparatória.

                   Estes jogos de preparação, são isso mesmo: treino, experiências, ambientação de novos jogadores, consolidação das impressões e princípios do novo técnico. Dão-nos uma ideia de equipa mas não vimos a equipa do FC do Porto que dali há-de nascer. 

                   Clara é a mudança: em tudo. Respira-se vontade, qualidade, orientação, liderança.

                    Cresce a confiança no FUTEBOL CLUBE DO PORTO. É a primeira vitória de muitas que poderão estar para vir.

                    Eu acredito que sim.

sábado, julho 19, 2014

KRC GENK (Bélgica), 1 - FC DO PORTO, 3.

                                       O Jogo - 20/07/2014

    

                                               TREINO COM MUITO SAMI.


              O Futebol Clube do Porto derrotou esta tarde a equipa belga do KRC GENK, pelo resultado de 1-3, (1-1. ao intervalo), num encontro em que se superiorizou ao seu adversário, 6º classificado do campeonato do primeiro escalão do seu país.

              Os golos foram apontados por Quaresma, aos 8', tendo os belgas obtido o empate aos 11'. No segundo período Sami, aos 61' na sequência de canto fez de cabeça o 1-2 e repetiu o feito aos 78' num magnífico remate de meia distância sem defesa para o guardião belga.

             A partida-treino deu apontamentos positivos quanto aos processos de jogo que o treinador Julen pretende aplicar, e, individualmente, as grandes surpresas vieram dos jogadores menos conhecidos, casos de Rúben Neves, Sami, Kelvin e Ricardo. 

            No cômputo geral esta partida correu bastante bem ao FC do Porto, tendo ocorrido coisas boas, muito boas e outras...bastantes más.
Nota ainda a salientar é que parece estar confirmado o exorcismo que afetou a desastrada carreira da equipa do ano passado. 

            Não assisti aos últimos 25' da primeira parte.

           O FC Porto apresentou-se com  seguinte equipa: Fabiano, Danilo, Maicon, Reyes, Alex Sandro, Carlos Eduardo, Olíver, Josué, Quaresma (cap), Ádrian Lopez e Telho.

           No decorrer da segunda parte foram utilizados os seguintes: Herrera, Ricardo Pereira, Rúben Neves, Sami, Kélvin, Evandro e Igor Litchnovsky, Herrera e Evandro.

           Fabiano, Danilo e Alez Sandro foram os únicos que permaneceram na equipa durante todo o jogo.

           O jogo veio a confirmar o que as declarações de Julen Lopetegui e alguns jogadores (e também comentadores de jornais e TV) têm vindo a divulgar. Nota-se claramente uma intenção de tocar a bola mais rápido e em passes verticais, maior movimentação dos jogadores e famigerada pressão alta, que outra coisa não é senão procurar retirar a bola do adversário e impedir que ele organize o seu jogo. A defesa procura jogar mais subida e os laterais participam no ataque subindo pelos corredores junto à linha. Procura-se jogar mais rápido e mais prático e fazer mais remates à baliza.

           Dos nomes mais sonantes contratados não pude colher muitas informações. Vestindo a nossa equipa de laranja ou lá que cor é e o Genk com equipamento idêntico ao que usa o FC do Porto, levei algum tempo a adaptar-me à situação. Por outro lado só assisti a 25' do primeiro período de jogo e, no segundo tempo, acabaram por ser substituídos.

          Fabiano teve muito pouco trabalho; Danilo e Alex Sandro melhoram em relação ao passado mas não fizeram coisas especiais; Reyes cometeu uma abébia grave que deu o empate a 1-1; Carlos Eduardo e Josué muito participativos estiveram bastante bem; Quaresma apontou o primeiro golo mas não brilhou.

         Depois, no segundo período, houve oportunidade de ver mais espetáculo. Rúben Neves, no miolo da equipa, 17 anos, foi um "mestre": serenidade, precisão e facilidade de passe, jogo rápido e linear; Sami, entrou para jogar à velocidade de TVG. Apontou dois golos, o último uma "bojarda" de boa distância que deixou o guarda-redes do Genk colado ao chão; Kélvin, endiabrado, rabujava por entre a defesa como foguete de artifício.

        Nesta apresentação mais "a sério" o FC do Porto mostrou, acima de tudo que está a assimilar outra filosofia de jogo, os seus jogadores trabalham sem reparos, e o valor individual dos jogadores está garantido: E, ainda não chegaram Ghilás, Jackson Mártinez, Quintero, Défour e Varela. Anunciam-se mais três ou quatro contratações, uma já confirmada: Casemiro, por empréstimo do Real Madrid; Ophare, Brahmi, etc. etc, etc..

       Há, pois, mudança. Só pode melhorar.

        
                  

              

quinta-feira, julho 17, 2014

FC DO PORTO: TREINAR A JOGAR PARA AVALIAR.

               

                 Continua a preparação do Futebol Clube do Porto por terras holandesas, em Horst, ontem com a diferença de que o treino constituiu um jogo de futebol com uma equipa secundária, o VENLO, cujo resultado em golos terminou com 6-2 a nosso favor.

                 Estes jogos que ocorrem durante o período de preparação, têm muito interesse sob o ponto de vista de observação de novos jogadores e avaliação do valor de cada um. É nesta fase que os candidatos que chegam e também os que tiveram menos oportunidades nas épocas anteriores, procuram mostrar do que são capazes na esperança de poderem impressionar o treinador e ser candidatos a uma posição no plantel. E, também como é normal, para a integração dos reforços que chegaram.

               Foi o que aconteceu ontem no primeiro encontro formal na Holanda. Ainda sem contar com alguns jogadores que estiveram no mundial, casos de Jakson Martínez, Quintero e Varela (com autorização), Julem Lopetegui fez alinhar todos os elementos disponíveis utilizando dois conjuntos distintos nos dois períodos do jogo.

             Primeiro alinharam Fabiano, Danilo, Maicon, Lichnovsky e Alex Sandro; Carlos Eduardo, Rúben Neves e Evandro, Oliver, Quaresma, Gonçalo Paciência e Adrien. Depois, Ricardo, Opare, Abdolayie, Kayembe, Graça, Carlos Eduardo, Josué, Ricardo Perereia, Sami e Telho.

             Ao intervalo o resultado era desfavorável ao FC P, por 0-1; depois marcaram, aos 52' Leeman p.b., Josué aos 66', Ricardo, 73, C, Eduardo, aos 81', Tello, Sami, aos 92.





             

A curiosidade maior reside no fato do reforço vindo do Barcelona, Tello, ter jogado poucas horas depois de ter chegado ao estágio. Segundo o desportivo "O Jogo", Ricardo Pereira terá dado nas vistas, entre  os portugueses e Adrien, mostrado apontamentos. Tudo normal. É o habitual no tempo de preparação.

            Sente-se que o ambiente esta animado, os jogadores contentes, o treinador mostra-se ativo, dinâmico e inovador. Trabalha-se, é o que importa. Os resultados virão depois.

quarta-feira, julho 16, 2014

FC PORTO: PLANTEL QUASE COMPOSTO.


         
              ágina interior do Jornal de Notícias (JN) dedicada ao desporto, de hoje.

           Há quatro dias em Horst, na Holanda, o plantel do Futebol Clube do Porto está em vias de se completar, quer com a chegada dos jogadores que estiveram no Brasil no campeonato do mundo com as respetivas seleções dos seus países, quer pela conclusão dos processos de transferências que andam a ser negociadas.

             Os reforços que mais expetativas levantaram já estão ou vão ficar brevemente às ordens de Julen Lopetegui. Tello, do Barcelona, Adriano, do Atlético de Madrid, Bahami, ganês que atuava no Málaga e Bruno Martins Indi, um grande central que fez parte da seleção da Holanda como defesa titular, estão aptos para fazerem valer as suas qualidades e impressionarem os adeptos do FC  do Porto.

            São muito animadores os indícios que o jovem treinador espanhol Lopetegui tem vindo a dar sobre a seriedade do seu trabalho, da sua exigência, rigor e métodos inovadores que tem aplicado nos treinos. Elogio-lhe também a discrição que usa em relação à imprensa, tendo sido muito parco até agora nas declarações que produz, permitindo aos atletas que vão chegando fazerem as suas próprias apresentações.

           Hoje ocorrerá o terceiro teste de conjunto em jogo contra uma equipa modesta local. Obviamente que o encontro servirá essencialmente como mais um treino, onde alguns jogadores sob observação especial atuarão para o treinador se decidir ou não pela sua continuidade, sendo improvável que entrem no jogo todos os que virão a ser os mais prováveis titulares da futura equipa principal.

          Visto de fora para dentro e lembrando a forma como decorreu a época anterior, parece haver razões para acreditar que o Futebol Clube do Porto vai a caminho de retomar a sua condição de equipa de respeito e ambição a que tinha habituado os seus seguidores.

           
O Jogo
©

segunda-feira, julho 14, 2014

FALTOU À ARGENTINA "LA MANO DE DIOS" DE 1986.

             

                A Alemanha vingou a Inglaterra da derrota de 1986 quando a Argentina foi campeã do Mundo com um golo de Diego Maradona obtido com a mão, lance que ficou imortalizado pela designação da "La Mano de Dios".

                Mesmo que não haja qualquer relação entre o célebre lance protagonizado pelo fantástico jogador argentino Diego Maradona com o resultado ontem verificado no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, desfavorável aos argentinos derrotados por 1-0 aos 113' de uma grande final mundial de futebol, estou em crer que uma pequena ajuda que tivesse havido por interferência divina, a Argentina estaria hoje a celebrar a (muito) ansiada conquista do ceptro de maior do mundo!

               Os homens do país das pampas fizeram tudo o que tinham a fazer para ganhar este jogo contra a melhor equipa da prova. E fizeram-no (muito) bem, menos no essencial: falharam onde menos poderiam fazê-lo, na eficácia.

              Logo aos 21' os alemães cometem o primeiro grande erro entregando a bola a Higuaín que, paulatinamente, retomava uma posição legal no terreno; isolado, caminhou na direção de Neur que saía da baliza ao seu encontro e atirou, torto e fraco, alguns metros ao lado do poste. Aos 29' Higuaín bate o intransponível guarda-redes alemão numa jogada rapidíssima de Messi pela direita com centro milimétrico para o avançado do Real Madrid que entrou na baliza, mas, o lance foi invalidade (bem) por fora de jogo do marcador. Depois foi mesmo Messi a desperdiçar uma excelente oportunidade, aos 40' rematando ao lado e, a seguir, aos 43', permitindo que Neur defendesse sem aperto. Já em período de 2' de adição de tempo é a Alemanha que, aos 47', esteve a ponto de marcar na sequência de um canto.


A melhor Alemanha de sempre fez história na América
Fotografia © EPA
             Lavezzi ressentiu-se de uma dura entrada sofrida no primeiro tempo e não regressou na segunda parte, entrando no seu lugar Aguero. Lavezzi tinha tido grande relevância na sua ação, tal como Masesserano, e os argentinos sofreram rude golpe. Ainda assim conseguiram fazer inquietar a máquina alemã e Messi, de novo, aos 47' rematou ao lado gorando outra oportunidade de abrir o marcador. Aos 57' Neur sai abrutamente para socar uma bola e choca violentamente contra Higuaín, dentro da área. Parece falta nítida para ser marcado penalti, mas Nicola Pizolli, italiano, deixou andar.. A Alemanha sob o ritmo no prolongamento, ma Argentina parece estar a ceder, esgotada. Aos 91', a Alemanha dispõe de grande oportunidade mas Romero não permite com uma monumental defesa. O grande falhanço que terá ditado a derrota da Argentina foi protagonizado por Palácios, aos 97', que, perante Neur, sem oposição, pretende fazer um "sombrero" ao guarda-redes, deu-se mal a bola mesmo assim encaminhava-se na direção da baliza mas saiu ao lado.. Aos 108', Aguero agride o médio alemão de nome difícil de escrever (que grande exibição!), porém o italiano perdoa. E, aos 113', MÁRIO GOETZE, numa jogada fantástica do tal médio em velocidade pela esquerda, serve um passe envenenado a Goeteze, que, numa soberba execução obtém o golo que vale o título de melhor do mundo.

             Há justiça na vitória da Alemanha mas a Argentina bateu-se com  argumentos de peso para também poder ganhar merecidamente. Não gozava do favoritismo popular, mas, para quem já tem experiência de muitos campeonatos e jogos não apostava ao acaso na vitória azul celeste. Com Di Maria, em grande forma, poderia ter feito a diferença, já que Messi não brilhou como se esperaria. O guarda-redes, Rojo (que grande surpresa!), Garay, Lavezzi, enquanto jogou, Mascherano e Enzo Peres, entre os restantes, não ganharam o que mereciam pelo trabalho (fantástico) que executaram.

            Depois de ter visto arbitrar o senhor Nicola Rizzoli e bastantes mais outros em partidas anteriores, vou ter que fazer um grande esforço para reconhecer que os árbitros de casa não são tão maus como pensava.

domingo, julho 13, 2014

ALEMANHA, 1 -ARGENTINA, 0

                                           «Herr» Götze, um herói alemão

                                                 CAMPEÃO JUSTO...À JUSTA!

                            A Alemanha foi a vencedora do Copa do Mundo de 2014 e o triunfo premeia a melhor equipa de todas as que participarem na prova, mas, a justiça do triunfo em relação à Argentina, neste jogo memorável disputado no estádio deo Maracanã, no Rio de Janeiro, decorre apenas do golo magnífico apontado por Mário Goetze na conclusão perfeita de uma jogada muito rápida de contra-ataque, aos 113' (!) do encontro.

                           A Argentina, que constituía sem duvida alguma uma formação muito sólida defensivamente e dotada de uma linha média de grande combatividade e sempre muito imprevisível em explorar o jogo de contra-ataque, com alma para dar e vender, criou quiçá o maior número e as mais flagrantes oportunidades de golo desta final, tendo razões para se lamentar de não ter saído vencedora da Copa de 2014 por não ter sabido aproveitar as oportunidades que criou para se adiantar no marcador e, de uma pitada de sorte que sempre ajuda na obtenção da fortuna. Por duas vezes, Higuaín, isolado apenas com Neur pela frente chutou ao lado da baliza lances que poderiam ter sido golos fáceis.

                          Teve, contudo, o grande mérito de ter sido a única equipa que mostrou valor para derrotar a máquina alemã, nunca permitiu à equipa de Joachim Low comandar a partida e só baqueou no segundo período do prolongamento procurando, ainda assim, nos escassos minutos que restavam para o fim do tempo do prolongamento, criado jogadas de alguma com algum frisson e dispôsa de um livre perto da área de Neuer que Messi marcou sem jeito e sem direção.

                          A lesão de Di Maria, que era porventura o jogador em melhor forma da equipa celeste e o  rendimento de Messi abaixo do que a sua categoria de grande jogador exige que mostre ser de nível superior, constituíram forte revés na concretização do sonho dos esperançosos argentinos conquistarem o maior torneio do Mundo de futebol.

                         A arbitragem do italiano Niccola Rizzolli pautou-se por um critério muito largo e livre, tendo perdoado entradas muito duras e até uma agressão de Aguero a um atleta germânico que ele não viu ou entendeu deixar passar.

                        Terminou de forma espetacular este excelente mundial de futebol, onde o Brasil de Filipe Scolari foi a grande deceção negativa das habituais maiores candidatos ao titulo e, no que nos diretamente nos diz respeito a pobreza da prestação que a equipa de Paulo Bento demonstrou neste campeonato do Mundo.

ADRIÁN, UM VALOR CONFIRMADO.

             O Jogo

           O Futebol Clube do Porto acaba de confirmar a contratação ao Atlético de Madrid, campeão espanhol na época transata por um valor que andará pelos onze milhões de euros, uma das quantias  mais elevadas até hoje pelo clube azul e branco.

            Vi alguns jogos que realizou pelos colchoneros na última época e, não sendo titular indiscutível, entrava no jogo em substituição de algum dos seus companheiros. Não tenho, pois, uma opinião muito fundamentada sobre o seu valor, mas fiquei com a impressão de que tem condições para se impor na equipa, com papel preponderante no apoio e distribuição de jogo ofensivo, possuindo velocidade de execução e rapidez de decisão na definição da entrega da bola. Tem a vantagem de Julen Lopetegui o conhecer perfeitamente, pelo que muito poderá ser útil na estrutura futura da equipa, possuindo já bastante experiência tendo apenas 26 anos de idade.

            A equipa encontra-se desde ontem em estágio na Holanda para onde se deslocou agora Adrían, onde estão outros reforços, sendo o nome mais sonante Opare, continuando ausentes a maior parte dos que estiveram integrados nas respetivas equipas nacionais no campeonato do Mundo que hoje termina no ;Maracanã, Rio de Janeiro.

sábado, julho 12, 2014

BRAZIL, 0 - HOLANDA, 3

                  Brasil vs. Holanda (Reuters)


              BRASIL FICOU NO QUARTO COM VISTA PARA O PANTANAL.

                     Vi a minha previsão de vitória do Brasil sobre a Holanda esfumar-se em 17' porque:

        - Felipe Scolari, comparado com Van Gall em sabedoria de futebol, é a mesma coisa que fazer um burro competir numa corrida contra um puro sangue da coudelaria de Alter.

       - Ao contrário do que pretenderam fazer crer, os holandeses levaram a sério esta partida.

       - O Brasil, neste momento, nem tem jogadores de grande classe, nem treinador competente, nem equipa digna de estar num mundial.

       - Ter um jogador chamado David Luiz que não fez mais nada durante toda a partida senão fazer o que lhe era possível para facilitar a vida à equipa da Holanda.
    
       - Ter tido o azar da arbitragem argelina ter cometido erros graves contra a equipa canarinha.

            Logo: a equipa holandesa realizou um excelente jogo, foi indiscutivelmente uma equipa muitíssimo superior aos brasileiros e quem, como eu, pôs alguma esperança em que Nossa Senhora do Caravaggio ajudasse o burro mais fino do Brasil a escapar a nova vergonha,  tem que vergar-se à evidência de que os milagres acontecem mais aos que, geralmente,  são melhores e mais competentes.
                Van Persie apontou aos 3' de grande penalidade o primeiro, num penalti resultante de falta de ilegalidade duvidosa; o segundo aconteceu aos 17', por Blind, numa estupenda assistência de David Luiz que lhe cedeu a bola de modo a que era impossível falhar; aos 91', foi Vigmaldunn que numa jogada traçada a lápis e esquadra remeteu para o quarto o anfitrião do Mundial de 2014.

              

        -
                

GANHAM O BRASIL E A ARGENTINA.

                


                   Hoje, jogam o Brasil e a Holanda, em Brasília, às 21 horas e, amanhã, no Rio de Janeiro, no Maracanã, a Alemanha e a Argentina defrontam-se a decidir o título de campeão do mundo de 2014.

                   E por que penso que o Brasil, do sargentão-sabichão baterá a Holanda do "lente do futebol" Van Gall?

                  Primeiro porque os brasileiros ainda "curtem" a sambada que a Alemanha lhes ofereceu e é pouco crível que estejam preparados para outro forrobobó falhado. Duas seguidas não aguenta qualquer um e presumo que à tulipa já estará a faltar o desejo suficiente para se aproveitar das sobras germânicas. Portanto, com os brasileiros metidos em brios e a jogarem em defesa da honra perdida contra uma dúzia de tulipas onde nem o jardineiro acredita que vale a pena colocar água para as arrebitar, "a" presidenta Wilma sentirá levantar-se-lhe o ânimo de que vai precisar para enfrentar as investidas dos descontentes brazucas nossos patrícios..

                 O Brasil jogou este campeonato com a pior equipa de que tenho memória, mas, neste contexto, vai obter o lugar que merece: terceiro melhor do mundo! Bem bom.




                  

                O campeão do mundo vai para a Argentina e não digo isto porque sim ou queira ser diferente de 60% ou mais dos que afirmam que a presidente Ângela Merkel vai ficar com a peruca da presidenta Kirtchner para colocar no seu gabinete de Berlim. Não, não é isso. A Alemanha possui um equipa fantástica, é uma máquina a jogar futebol com a garantia da tecnologia alemã, mas, não esqueçam que  a excelência tecnológica, a perfeição das máquinas e a exacerbação da confiança não chegaram para que a poderosa potência mundial tivesse deixado de suportar a maior humilhação da História moderna...

                 A Argentina só aparentemente não é tão forte como o seu adversário tão temido, frio, implacável, insensível. Não, mas possui uma coesão de  cimento armado sem roubo no ferro, que torna a sua defesa um autêntico bunker de guerra, tem sangue espanhol-latino nas veias, tem ganas, a coragem do desembarque da Normandia, e, Masserano, e Garay, e Di Maria, e Higuaín, e o Aguero e o Palácios e Messi, amigos, não esqueçam, Messi, quando é Messi (vai sê-lo) é....MESSI, e tudo fica dito!

             ...  e devem ter cá um vontade de mostrar que o tango é muito mais sensual e belo que o samba, que os alemães nem vão ficar para assistir ao baile dos argentinos.

             Voto p'ra Argentina.

                

quinta-feira, julho 10, 2014

COMO TREINA RAUL MEIRELES.


NOVA CAMISOLA DO ESCRETE SCOLARI.

(da net)

ARGENTINA, 0 - HOLANDA, 0 (4-2, EM PENALTIS)



Holanda-Argentina, 0-0, 2-4 gp (crónica)
 
EMOÇÃO PERTO DAS BALIZAS APENAS NA MARCAÇÃO DE PENALTIS.

               O jogo Argentina-Holanda foi dominado pela preocupação do rigoroso cumprimento das táticas adotadas pelos respetivos treinadores,  em tudo muito semelhantes, que tinham como primeiro objetivo impedir que cada uma delas pudesse por em prática o futebol que lhe é próprio, procurando que os jogadores mais influentes não pudessem exercer as funções que desempenham em cada uma delas.

              A manobra das duas equipas encaixou completamente uma na outra resultando daí uma mecanização dos movimentos sempre muito rigoroso e de marcações implacáveis, sem preocupação das faltas e da sua intensidade, que levou a interrupções frequentes e à intervenção das equipas médicas.

              A partida foi jogada de forma muito intensa em cada centímetro de relva, porém, a emoção andou longe das balizas onde, quer numa quer noutra, os guarda-redes muito raramente foram incomodados, sendo muito reduzidas os lances com possibilidades de se transformarem em golo. Na única grande ocasião de golo iminente, desperdiçou-a o argentino Palácios que, isolado na frente do guarda-redes holandês lhe entregou a bola por ter tentado fazer "um chapéu" em vez de um remate simples e colocado.

              Para além dos condicionalismos táticos a equipa de Van Gall pareceu mais desgastada que a argentina, e Roben não teve a influência a que a equipa está acostumada. A Argentina foi sempre mais robusta, muito coesa, valente e confiante que poderia chegar ao fim da partida com êxito. Messi, embora tendo tido bastante jogo, não conseguiu destaque de acordo com o estatuto de grande jogador mundial.

               A Holanda, em certa medida, esteve abaixo das expetativas, bem longe do que fez no jogo anterior.

             Na lotaria dos penaltis a maior competência coube aos argentinos que souberam converter as quatro primeiras, enquanto os holandeses viram duas ser defendidas pelo guarda-redes.

             A Argentina mereceu chega à final. Em termos de coesão tática e classe individual de jogadores não está muito longe do nível da equipa alemã. Será uma grande final onde o desequilíbrio estará na inspiração de qualquer um dos vários génios que a integram.

             A hipótese da decisão do vencedor ser decidida na marcação de grandes penalidades não é, de todo, inverosímel.

             Estou em crer que ainda não será desta vez que uma equipa da Europa será campeã do mundo nas Amércas,,,

quarta-feira, julho 09, 2014

terça-feira, julho 08, 2014

BRAZIL, 1 (UM) - ALEMANHA, 7 (SETE)

                    NÃO É ENGANO:  MILHÕES VIRAM EM TODO O MUNDO!

                                           BRAZIL, 1 (UM) - ALEMANHA, 7 (SETE)
                                                ( ZERO/ CINCO AO INTERVALO)

                                      ESTÁDIO DO MINEIRÃO - BELO HORIZONTE
                                                          1/2 FINAL DA COPA 2014

O Brasil entre a desilusão e o choque da goleada (REUTERS)
                       
                     Aos 11', Muller, fez o 0-1
                 Aos 23', Kose,     "  o  0-2
                 Aos 25' Kroos      #  o 0-3
                 Aos 26,    "           "  o  0-4
                 Aos 29, Khedira   "  o 0-5
                 Aos 69, Schurric   "  o 0-6
                 Aos 79' Schurric   "  o 0-7
                  Aos 90'm 'Oscar  "  o 1-7

                 Estonteante meia hora da equipa alemã que levou os jogadores do  Brasil às profundas do inferno para ver os anjos diabólicos alemãs passar por eles como fantasmas invisíveis. Em seis minutos a bola foi ao fundo da baliza de Júlio César QUATRI VEZES  sem que ele desse conta de que os seus defesas se tinham, tornado invísiveis! Brutalmente alucinante o desnorte da equipa brasileira, cristalizada, ridícula, pobre de pedir!

                 Como se esperava os alemães confirmaram a sua condição de melhor equipa desta prova e os brasileiros puseram a nu a sua fragilidade como conjunto coeso e sólido, que viveu à sombra do génio de alguns dos seus jogadores, com exceção de uns quarenta e cinco minutos num encontro anterior que constituiu o melhor momento da sua prestação nesta prova.

                 Aparentemente, o Brasil aliviou o pesadelo que viveu na primeira parte entrando para o segundo com duas alterações. A equipa deu sinais de melhoria, mas foram os alemães que aliviaram o ritmo fazendo apenas algumas acelerações esporádicas que renderam mais dois tentos, mas, fizesse a equipa de Joachin Loow questão e os números subiram até valores impensáveis. A equipa alemã jogou o segundo tempo apenas a pensar em poupar a esfacelada equipa canarinha!

                  Os germânicos formam um conjunto perfeito onde se casam a categoria de todos os seus jogadores, com um guarda-redes de classe excepcional, com um sistema de jogo que é o somatório dos sistemas que cada um dos seus componentes representa para o funcionamento da máquina perfeita, dirigidos por uma equipa técnica que é um laboratório científico para sublimar a arte de bem saber orientar equipas de futebol.
                                       
      Klose torna-se o melhor marcador da história dos Mundiais

Dezasseis golos do avançado alemão

Por Redação       há 11 horas
Klose torna-se o melhor marcador da história dos Mundiais



segunda-feira, julho 07, 2014

CALENDÁRIO DE JOGOS DA ÉPOCA 2014/15 DOS FCP, SCP E SLB.

(Com a devida vénia ao autor do blogue SOU PORTISTA COM MUITO ORGULHO, onde fui copiar parte do excelente trabalho por ele elaborado)




domingo, julho 06, 2014

HOLANDA, 0 - COSTA RICA, 0 (3-2 em gr, penalidades).

                   Holanda enfrenta Argentina

                                      O GÉNIO DE VAN GALL SALVOU A HOLANDA

                            
                            COSTA RICA SAI DA COPA DO MUNDO SEM FORTUNA.

                  A seleção da Costa Rica perdeu na decisão dos penaltis toda a fortuna que lhe traria a passagem às meias-finais da prova maior do futebol mundial, depois de ter lutado bravamente durante mais de 120' contra a Holanda, uma das formações mais fortes ainda em prova.

                  A partida decorreu de forma emocionante com os dois conjuntos totalmente determinados em prosseguir na prova, lutando taco a taco pela posse da bola em cada metro quadrado do relvado. Ambas estiveram perto de marcar os golos procurados com total determinação, sendo justo reconhecer que os holandeses as criaram em maior número o que não invalida que os costariquenhos, tendo construído menos, as não tivessem merecido como justo prémio do seu esforço e pelo que contribuíram para a beleza do futebol praticado.

                 Os sul americanos ficarão na história desta prova como a equipa sensação, que não sofreu qualquer derrota nos tempos oficiais dos jogos, apenas consentiu dois golos e só baqueou perante o génio de Van Gall que substitui no último minuto o guarda-redes titular da equipa pelo seu suplente apenas com o fim de defender as penalidades apontadas pelos costariquenhos, tendo defendido duas tendo levado a  Holanda às mais finais.

                 Outra lição a tirar do forte espírito desta equipa da Costa Rica foi o modo como se comportaram os seus atletas e equipa técnica perante a evidência do afastamento, mantendo uma serenidade digna, sem qualquer expressão ou atitude dramática, o que demonstra um forte carácter e a consciência de que fizeram tudo, e bem, para vencer.

                Nas meias finais irão defrontar-se as equipas do Brazil e da Alemanha, na terça-feira e a Holanda a Argentina, na quarta. Quatro grandes equipas, as melhores porque conseguiram atingir esta fase, uma confrontação sul-norte do globo terrestre, com a certeza de que, pelo menos uma equipa europeia irá disputar o ceptro de melhor do mundo.

               Mas fico com um certo vazio de alma por saber que a Costa Rica já não continua a maravilhar-me nesta Copa.

                 

sábado, julho 05, 2014

ARGENTINA, 1 - BÉLGICA, 0


Argentina
Bélgica

Argentina

1

  • G. Higuaín  - 8'  




O MELHOR QUE A BÉLGICA FEZ FOI ABRIR E FECHAR AS PORTAS DOS QUARTOS.

                           Asssiti, porventura, ao pior jogo deste mundial. Principalmente por culpa dos belgas que fizeram um jogo abaixo de zero, entre os cinco minutos iniciais e os cinco adicionais concedidos pelo árbitro. Mas também os argentinos merecem nota negativa porque em boa verdade a exibição da equipa esteve longe de corresponder às suas credenciais, tanto a nível coletivo como individual. Higuaín, autor do golo argentino num remate sem preparação à ponta de lança mas feliz no modo como lhe chegou a bola, terá sido o único que verdadeiramente merece uma nota de acordo com a excelente exibição que realizou.

                          Quem não tivesse visto os jogos anteriores da Bélgica nesta prova teria ficado assombrado pelo fato de uma seleção a jogar desta maneira conseguiu chegar aos quartos de final de uma prova onde, em princípio, estão as melhores equipas do mundo. Péssima, inexplicácel e inadmissível atitude da equipa europeia, inclusive, a estranha apatia e demora do selecinador fazer algo para alterar o pobre espetáculo que a sua equipa deu durante quase toda a partida.

                          Para além do golo obtido aos 7', por Higuaín, a única verdadeira oportunidade da Argentina aumentar o resultado esteve nos pés de Messi, agora aos 90+5', o qual, completamente isolado frente a Courtois foi incapaz de fazer golo.

                          Di Maria, que mesmo não estando ao nível das exibições anteriores ainda assim vinha a distinguir-se dos seus companheiros, teve que abandonar o  relvado por motivo de lesão.

                         O árbitro italiano adotou o modelo que parece norma nesta prova de deixar correr a bola e  quem tem a sua posse e só apontar faltas quando lhe parecer que o jogador que a sofre dá indícios inequívocos de ter contraído uma lesão que o obrigasse a seguir diretamente para o hospital, senão para a próprio morgue!.

quarta-feira, julho 02, 2014

AMANHÃ, VOLTA O GRANDE CAMPEÃO!

 Dia 3 de Julho de 2014. O começo da glória. Força, campeão!

BÉLGICA - 2 - ESTADOS UNIDOS, 1

(Maisfutebol)
Bélgica VS E.U.A (Reuters)

                        

                                       LIÇÃO PRÁTICA DE UM JOGO DE FUTEBOL!


                          Bélgica e Estados Unidos mostraram ontem ao mundo o que é, de fato, um jogo de futebol!

                          Duas grande equipas, árbitros competentes, jogadores excecionais, Mark Wilmots (Bélgica) e Klinsman (Estados Unidos), comandantes sagazes, inteligentes, cavalheiros e amigos.

                          Futebol de ataque, leal, futebol de defesa, coletivo, arte fora de série individual, remates, defesas impossíveis, bonitos golos marcados, defesas dos guarda-redes para todos os gostos, bolas aos ferros, falhanços de baliza aberta, alegria, drama, mais e mais, esgotamento físico, lesões, substituições técnicas e forçadas, em cento e vinte minutos sem respirar!

                         Os deuses belgas superaram os deuses americanos e o deus máximo do futebol (se existe) decidiu com justiça porque só a um cabia a possibilidade de continuar o caminho que leva à glória.

                        Tim Howord, keeper estadunidense brilhou? Não, foi  uma total constelação que iluminou todo o Universo do futebol.

                         Que esta lição prática de futebol não tenha sido um simples  bafejo efémero de qualidade e seriedade profissional. 

                         Haverá sempre esperança de as raízes primitivas renovarem a floresta com árvores de seiva limpa e saudável.
                         

                         

                         

terça-feira, julho 01, 2014

ALEMANHA, 2 - ARGÉLIA, 0

                 VENTO DA ARGÉLIA VARRE O DESERTO DE BENTO
No final ganha a Alemanha com Neuer a fazer de Beckenbauer

           Só via Argélia, só Argélia me espantava, só "torcia" pela Argélia, e só a equipa de Paulo Bento me toldava a visão! Que querer, que vontade, que futebol, que saúde física e mental que raça, que humildade, que valentia, que coragem!

                 Tudo o que faltou aos "pobres" lusitanos no começo vergonhoso do Mundial 2014.

                 Ontem, quem venceu foram os argelinos. 

                 Espanto!. E desencanto, só no resultado. Injusto, injusto, outra vez injusto!

                 Um "filme" que Paulo Bento deveria obrigar-se a ver antes de ir para a cama, todas as noites. Para ter visões. Melhor: alucinações.