quarta-feira, janeiro 12, 2011

KIESZEK ASSEGUROU O QUE HULK CELEBROU.

      
FC Porto venceu Pinhalnovense (2-0), Hulk aos 78 e 90 m


                   TAÇA DE PORTUGAL

  No Estádio Mais Belo da Europa, esta noite:

           FUTEBOL CLUBE DO PORTO, 2 - Pinhalnovense, 0
                  (Hulk, 2)

   Em termos de organização, entrega e seriedade desportiva o Pinhalnovense foi, talvez, a melhor de todas as equipas nacionais que, nesta época, visitaram o Dragão.

   Kieszek, considerado o carrasco da derrota contra o Nacional ao cometer um erro grosseiro de que resultou a obtenção do golo do empate foi decisivo, esta noite, ao negar o golo ao Pinhalnovense com uma extraordinária defesa, ainda com o resultado em branco e a menos de vinte minutos do seu termo.

   O incontornável HULK, com dois golos incríveis "à Hulk", fez a justiça do resultado pelo caudal ofensivo e lances de golo possível criados em toda a partida pela nossa equipa e pela diferença de categoria técnica individual dos jogadores em confronto.

   Esta surpreendente equipa da margem esquerda do Tejo pelo futebol praticado, pela forma descomplexada e desinibida como evoluiu na melhor alcatifa verde do mundo, pela visível satisfação de envergarem aquelas tão afamadas camisolas às riscas azuis e brancas, era merecedora de estar na final da competição a defrontar o seu adversário desta noite.

   Gostei que a vitória do Futebol Clube do Porto tivesse sido obtida de forma imaculada e justa. Mas como seria tão mais fácil, quiçá mais nutrida, se Pinto da Costa tivesse comprado contratado o guarda-redes dos pinhalnovenses...


  

   




            

4 comentários:

  1. Caro Remígio
    Até que concordo consigo... A organização,destreza e capacidade para aguentar a máquina portista (mesmo a dez à hora)só poderia vir de malta equipada, briosamente... à- porto. Tanto, que a certa altura, comentei para o m/habitual parceiro(sportinguista & anti-benfas),nestas visões dos jogos :" eh pá!se os gajos d'azul e branco marcam um golo,ainda dou p'ráqui um pinote!".
    Felizmente que, desta vez, o polaco compatriota do celebérrimo MLYNARZICK , até fez a defesa da noite!
    Alvíssaras também para o nosso HulK! O Homem estava fera, com o pouco encanto das ...bancadas. Pudera! O xarope, parecia mel de pastoso e peganhento e até o mais afoito e crente portista se estava a sentir a adormecer no encanto da sereia e do Pedro Alves...(sempre que vão ao Dragão, estes g.r's sem nome e -infelizmente,digo eu- sem futuro radioso,parece que realizam o tremuno da vida deles...).
    Verdade,verdadinha que falhámos golos sem conta ... mas, ó André Villas-Boas,para quê jogar com QUATRO DEFESAS e SEM NENHUM PONTA DE LANÇA ,no Dragão e a empatar ao intervalo de zero -a-zero ??!!!...
    "Disconcordo" em absoluto com tais tácticas...Quase que me dá para a asneira e para o politicamente (IN)correcto!
    Enfim...Ganhámos!
    Esperemos agora por "seu" Moser e...
    Abraço amigo
    João Carreira

    ResponderEliminar
  2. Em primeiro lugar e porque é da mais elementar justiça fazê-lo, tenho de dar os parabéns à equipa do Pinhalnovense pela forma como se bateu esta noite no Dragão. Bem organizada, construtiva e a durar os noventa minutos, o conjunto de Pinhal Novo, perdeu, justamente, mas obrigou o F.C.Porto a ter de dar o litro, a recorrer a todo o arsenal e só caiu à bomba. Nestes jogos, frente a estas equipas, ou se marca cedo ou quanto mais tempo passa sem marcarmos, mais alma e moral damos ao adversário para resistir. Foi esse o problema do jogo do F.C.Porto. Até entramos bem, construimos algumas bonitas jogadas, criamos várias oportunidades, mas fomos demasiado perdulários, sem esquecer a excelente exibição do guarda-redes da equipa do sul. A juntar a essa pecha, notória, há outra razão que explica as dificuldades da equipa de Villas-Boas em marcar: os três médios que entraram de início, Belluschi, Fernando e Micael, não são grandes rematadores de meia distância e como tal, preferiram entrar na área em tabelas e tabelinhas, afunilaram, não criaram, não abriram espaços e assim, ficou muito difícil desmontar a, repito, boa organização da equipa do terceiro escalão que, se jogar sempre assim, tem um belo futuro pela frente.


    Ao intervalo Micael ficou nas cabines e entrou Guarín. O objectivo estava à vista: derrubar a equipa azul e branca - o F.C.Porto hoje, jogou de amarelo -, com as bombas do colombiano, mas o herói de sábado passado não esteve particularmente inspirado, foi demasiado sôfrego, não escolheu as melhores opções e quase sempre rematou mal, longe do alvo ou contra o "meco". Estavamos nisto, Porto a dominar, mas trapalhão, pouco inspirado, quando, num contra-ataque bem organizado, a equipa forasteira podia ter marcado. Seria tremendamente injusto, mas seria futebol... Valeu uma grande defesa de Kieszek a evitar o golo, golo que viria a sorrir ao F.C.Porto, numa grande bomba de Hulk, que bisaria já em período de descontos, dando ao resultado um "score" mais consentâneo com o que foi o jogo.

    Resumindo: objectivo alcançado, mas com pouco brilho. Bom teste, que serve de aviso do que nos espera frente à Naval. Estamos nas meias-finais e a garantia que, a nós, ninguém nos compra e se o clube do regime quer ganhar a Taça a qualquer preço, vai ter de passar por cima do Dragão e isso, meus amigos, não é fácil.
    Quem vão eles comprar ao Rio Ave, no dia do jogo? O João Tomás? Ou vão emprestar o F.Faria e mais algum jogador, em troca da vitória?


    Três notas finais: Kieszek, entrou nervoso, a acusar a responsabilidade do erro, grave, no jogo frente ao Nacional, mas recompôs-se e foi muito importante na vitória.
    Hulk, às vezes irrita, mas decide e com quem decide temos de ter mais alguma condescendência.
    Mariano, jogou de início e entrou bem... depois perdeu gás e foi bem substituído.
    Os nossos centrais, com a bola nos pés, têm tantas dificuldades em acertar... Se arriscam um passe de mais de vinte metros, é certo e sabido que sai asneira.
    Mais duas oportunidades perdidas para Rafa e R.Micael - como é possível estar a jogar tão pouco?
    Vocês não notaram a falta de um tipo baixinho, que nunca pára quieto e nunca brinca em serviço? Eu notei.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. O jogo resume-se em poucas palavras. Primeira parte péssima e segunda medíocre. Salvaram-se os dois golos de Hulk, quaisquer deles incríveis.

    Pouco mais há a dizer de uma prestação que não honrou tão distinto emblema, nem respeitou quantos se deslocaram ao Dragão.

    Recuso-me a enfiar a cabeça na areia, branqueando um tão péssimo jogo de atletas que, todos sabemos, possuem capacidades para nos deixar orgulhosos.

    Ganhámos? Seria um escândalo se não o conseguíssemos!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Contra o Pinhalnovense esperava-se um jogo, na minha opinião, bastante fácil, algo que se traduziu um pouco em campo mas... O guarda-redes defendia tudo e mais alguma coisa! Remates de Rúben Micael, James, Belluschi, de todos.
    Teve de ser o incrível HULK a desfazer o empate e, minutos depois, decidir o encontro.

    Um bom encontro e... estamos nas meias-finais!

    Um abraço

    ResponderEliminar