quinta-feira, janeiro 06, 2011

FAZER CONFERÊNCIAS OU VENDER RECADOS.







       O lançamento dos jogos a cargo do jovem treinador do Futebol Clube do Porto é feito através de conferências de imprensa abertas, no decorrer das quais os jornalistas presentes podem interpelar André Villas-Boas e colocar-lhe as questões que entenderem e às quais ele vai respondendo sem limitações ou subterfúgios. Foi assim nesta quinta-feira com a antevisão do encontro dos dragões frente aos insulares da ilha da Madeira, o Marítimo, no sábado, no Estádio Mais Belo da Europa.

       Com a mesma segurança e à-vontade e a frontalidade que o caracterizam e começam a moldar a sua imagem de marca,  o técnico portista que comanda a equipa líder destacado da maior prova do futebol nacional  invicto à 14ª jornada, não rejeitou o ensejo de confrontar as declarações amplamente difundidas pelos media, após o fim da série vitoriosa de 36 (!) jogos sem saber o que é uma derrota, produzidas por jogadores e técnico do clube da "dona Victória".

      "Se fosse o Benfica a ter um percurso como o nosso, onde é que estaria e onde estaria o treinador do Benfica? Que considerações seriam feitas? Mas as mensagens do exterior e o entretenimento semanal dizem-nos pouco", disse André Villas-Boas.

       Ainda a propósito do jogo que o Futebol Clube do Porto realizou em Guimarães e das críticas que, no calor do rescaldo do jogo fez ao trabalho do árbitro Carlos Xistra, que lhe valeram um chorrilho de comentários a verberar o seu temperamento irascível e a sua imaturidade, como se isso fosse uma coisa nunca vista em treinadores portugueses e estrangeiros com muita mais e idade e maior curriculo do que ele, o timoneiro dos Dragões não se escusou a fazer mea culpa, confirmando as qualidades de gentleman e de desportista de eleição. Tendo sido Carlos Xistra designado para arbitrar o jogo do próximo sábado, o carácter nobre do líder da equipa técnica portista, revela-se nesta afirmação:

           "O jogo ficou marcado por uma declaração minha que foi infeliz. Claro que, se tiver oportunidade de me cruzar com ele, devo-lhe uma palavra"
            Posso ter andado distraído mas digam-me, por favor, quando e onde, tantos outros que passam a vida a culpar as arbitragens dos seus insucessos como que se nunca delas tivessem lucrado e ostentam títulos que nunca lograriam alcançar pela competência, tenham tido gesto de tamanha humildade e honradez.

            Villas-Boas comentou, também, a "poluição noticiosa" que faz manchetes de jornais ou noticiários das Tv, estranhamente quando, por mais de uma vez tem sido afirmado pelos responsáveis do Futebol Clube do Porto, de que não se prevêem alterações de fundo no plantel, para além de ajustes convenientes e perfeitamente compreensíveis, como são os casos de Castro e Ukra. Radamel Falcao, o felino El Tigre colombiano que já ganhou fama mundial pelo número e beleza dos golos que marca, é um dos escolhidos (pudera...) para colocar na falsa montra do mercado.
      
            Falcão vai sair?

          “Não me parece que seja uma possibilidade ”, disse Villas-Boas, em resposta à manchete do jornal “A Bola”, que dá conta do interesse do Arsenal no avançado portista, por quem estará a ser preparada uma oferta de 30 milhões de euros.

O FC Porto não vende com facilidade e seria fora de tempo, acrescentou o técnico.



            E Funes Mori?, o avançado do River Plate, que o Benfica esteve perto de contratar, mas de quem desistiu nos últimos dias:

"é um jogador interessante, até o conhecemos, mas é mentira que estejamos interessado nele”, disse Villas-Boas" E, Diego Maurício?, um brasileiro que vem sendo desde algum tampo apontado ao Dragão:“Um dia pode vir a interessar, mas nem sequer o conheço.”

            O técnico portista deu ainda a entender que o clube não pretende contratar jogadores neste mês, altura em que voltam a ser permitidas transferências, apesar das lesões de alguns futebolistas, como Álvaro Pereira.

            “As lesões não nos obrigam a ir ao mercado, porque temos um plantel extenso. E não é por termos vacilado que temos de ir ao mercado, até porque se cometem muitos erros no mercado de Inverno. Quando temos de ir, vamos com pouco mediatismo e os alvos estão referenciados há muito tempo”
, acrescentou o treinador.


             Quem quiser dar-se ao trabalho que tente encontrar as diferenças entre o que é uma CONFERÊNCIA DE IMPRENSA e o solilóquio de um inquieto e ansioso treinador em vias de terminar o contrato, forçado a vender a banha da cobra que ao patrão mais interessa.
http://4.bp.blogspot.com/_YZ2fzIvob2s/TSV9Aoj6ZpI/AAAAAAAAILY/g6R62lni30s/s1600/20110106-oJogo.jpg

3 comentários:

  1. Meu caro :

    Apreciei a entrevista de AVB e gostei especialmente do teu epílogo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Caro Remígio se fosse em Espanha, Itália ou Inglaterra, que um treinador se recusasse a fazer a antevisão na sala de imprensa e fizesse na televisão do clube, tenho a certeza que era logo desancado e ninguém passava uma linha do que ele dizia. Aqui, como a C.S. está de cócoras e funciona como correia de transmissão da águia vitória, passam tudo e quem os respeita é maltratado e transformado em mau da fita, a quem não se perdoa nada, como foi o caso da reacção do André no jogo de Guimarães.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Meu caro Remígio :

    O F.C.PORTO fez-nos a vontade (4-1) !

    Abraço

    ResponderEliminar