quinta-feira, outubro 21, 2010

BANHO (TURCO) DE BOLA!

          Istambul (Turquia):
 HULK, o "Incrível" fenómeno.

                  Besiktas, 1 - FUTEBOL CLUBE DO PORTO, 3

                          (Falcao 1 e Hulk, 2, marcaram pelo Porto)

         Espectacular vitória do Futebol Clube do Porto em Istambul (Turquia), contra o Besiktas num encontro em que, para além de ter pela frente uma equipa forte e um ambiente escaldante, foi sujeito ao trabalho inacreditável de um árbitro ladrão, espanhol de "mierda", o qual, a partir do golo da nossa equipa, resolveu jogar pelos turcos e influenciar o resultado final.
     FALCAO, já voou e a bola vai a caminho do primeiro.


        Nada tendo de censurável na expulsão de Maicon, perdoou aos locais um lance a nosso favor passível de idêntica sanção, anulou a Falcao o segundo golo, OBTIDO SEM QUALQUER ILEGALIDADE, expulsou Fernando num segundo amarelo por ter agarrado no chão, a bola, sem ter tido tempo de a soltar, não aplicou o critério aos jogadores do Besiktas em lances em tudo iguais ao que o levou e exibir o primeiro ao nosso médio, permitiu entradas proibidas dos locais aos nossos jogadores, não consentiu, a Bellushi,  a marcação de um livre a terminar a primeira parte e autorizou, para além da hora a execução de um canto contra nós e sancionou o golo turco em lance precedido de fora de jogo! E falo de memória, sem anotações, porque então não caberiam neste post os erros do "perro" feito juiz.


            O FCP realizou um jogo fantástico colectivo, personalizado e categórico, sem prejuízo de destaques individuais de alguns atletas. HULK, esteve soberbo. Desde a época de 60 que Portugal não via um jogador com estas características físicas e técnicas. Excepcional! Falcao, Helton, Fernando, Bellushi, Messinho (Moutinho) e Maicon (estava a jogar lindamente), excelentes; mas também Sapunaru (sóbrio e prático), Rodriguez (trabalhador), Pereira (mais na parte final), Varela (entrou bem) e Guarin, pouco tempo em campo, cumpriram.


Os 2º e 3º do "Incrível" Hulk, foram dois hinos ao futebol!

         Villas Boas, o "informático", o jovem sem "estaleca nem curriculo" para comandar uma equipa de amadores quanto mais o FC Porto, o "imaturo" que reage emocionalmente num lance em que lhe parece ter havido falta que só as imagens de TV mostraram que não tinha razão, o treinador de sangue azul a quem foi recomendado (e à família, a residir em Belas) fazer-lhe bem comer doces para controlar os nervos e outros qualificativos de igual jaez, impõe-se, ao fim de escassos meses, como o grande treinador que o MELHOR CLUBE DE PORTUGAL precisaria!

         Depois da vitória do Sporting de Braga, para a Liga dos Campeões, os triunfos do nosso clube e do Sporting (ao intervalo o resultado já ia em 4-1), na Liga Europa, só os tristes campeões dos túneis, capazes de ganhar a qualquer equipa do mundo foram, mais uma vez, derrotados sem apelo nem agravo. São mesmo a vergonha de Portugal!

4 comentários:

  1. Heróis sim!

    Heróis porque frente a bom e surpreendente adversário, com um grande coração e empurrado por um público fantástico - é um exemplo... - e tendo que aguentar com uma arbitragem caseira, que já não se usa - o golo de Falcao, que o árbitro invalidou, foi um escândalo que não se admite. J.Rita, na Antena 1, ao dizer que foi por fora-de-jogo, devia ser obrigado a pedir desculpas públicas ao F.C.Porto - foi capaz, mesmo sem ser brilhante, de conseguir os seus objectivos, conquistar uma vitória e dar um passo quase decisivo para a fase seguinte. Foi um Porto unido, solidário, organizado, com alma e espírito do Dragão, o espírito que fez de nós grandes entre os grandes e nos levou ao topo do Mundo. Um Porto que não se refugia em lamechisses, desculpas esfarrapadas ou de mau pagador. Um Porto que em várias fases da primeira-parte esteve mal, na organização, no controlo do jogo, na cobertura das laterais, deu muito espaço e por isso teve problemas, mas nunca foi banal. Um Porto que soube sofrer, ser unido, solidário e esperar o tempo certo e o momento oportuno, para na segunda, ganhar e de uma forma que até aos turcos convenceu. Um Porto bem dirigido, táctica e mentalmente, por um jovem treinador, que a cada dia que passa, mostra que tem um grande talento e é um verdadeiro líder.

    Em resumo, um Porto que está bem, que se recomenda, que tem estofo.

    Não devemos embandeirar em arco, mas depois do que vimos hoje, no inferno de Inonu, temos todas as razões para ter confiança neste Porto, que a cada dia que passa está mais consistente, mais forte, mais equipa.
    Temos todas as razões para encarar o futuro com grande tranquilidade, na certeza, que temos gente que merece todo o crédito.

    Estas fotos estão o máximo e ninguém pode reclamar...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Caro Remígio
    Os seus comentários e as suas imagens ... óptimas.Está por aí, tudo o que o jogo deu...
    Para complementar- uma notícia de última hora e cuja,me foi "adiantada" por uma amiga turca,guia turística,na bela Istambul.(Então- é- assim (como é moda e "bem" dizer-se,modernamente...): o árbitro espanhol estava... "rakizado"!A Uefa,vai promover um inquérito para tentar saber quem ,(e em que circunstâncias )terá dado àquele, RAKI(bebida nacional da Turquia), em vez do saborosíssimo e tradicional chá turco.Mandado soprar para o balão (versão turca)- ao intervalo - acusou 2,7º de alcoolémia,daí a visão... turva,que o levou à anulação do segundo golo de FALCãO...
    Esperemos,então, os resultados uefeiros e se o gajo(árbitro) vai descansar(JÁ! e como medida cautelar ) p'rá... jarra.
    Eu,dou o dito por não dito e proclamo: Volta(i)
    xistra(s) que estais perdoados!
    Abraço amigo
    João Carreira

    ResponderEliminar
  3. Vitória importante frente a um adversário aguerrido e por vezes excessivamente agressivo.

    O ambiente infernal que os turcos sabem proporcionar, funcionou em pleno em termos de pressão... para a equipa de arbitragem que estava «borrada» de medo.

    Só assim se explica a dualidade de critérios e a cegueira. Um golo mal invalidado e um penalty não assinalado sobre Falcao, foram «apenas» duas das muitas bacoradas da arbitragem caseira.

    Nas expulsões esteve bem. Fernando já com amarelo, forçou a sua expulsão ao agarrar, inadvertida e incompreensivelmente, a bola.

    Vitória da classe e da inteligência.

    Helton e Hulk sobressaíram num conjunto de boas exibições.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Esperava-se um jogo difícil, é verdade, mas conseguimos entrar bem em campo e dominar a maior parte do tempo de jogo.
    Mesmo com 10, e mais tarde com 9, fomos superiores e conseguimos então alcançar a 13ª vitória em 13 jogos, um registo impressionante.
    Destaque para os adeptos do Besiktas, que no final aplaudiram Hulk.

    Um abraço

    ResponderEliminar