sábado, outubro 22, 2011

"A GUERRA DAS ROSAS."

       

           A "zanga" dos adeptos do Futebol Clube do Porto com a equipa pode comparar-se à divertida rábula descrita na canção de Camané, "A Guerra das Rosas", que, hoje, no crepúsculo da manhã, caminhando junto ao rio Lima, escutei através da TSF. Um homem que ama sofre, inquieta-se, exige, magoa e é magoado, mas perdoa porque o amor supera tudo, é mais forte que a vontade, só convive com a harmonia e em paz.

             O encontro da reconciliação entre a equipa e os adeptos está marcado para amanhã, naquele que (não me canso de o repetir) é o Mais Belo Estádio da Europa, a quem, em boa hora, o presidente Pinto da Costa, deu o nome mítico de Dragão, no jogo contra o Nacional da Madeira, no recomeço da Liga portuguesa.

              O jogo não comporta risco acrescido e a normalidade é a vitória. Sendo obrigatório e necessário, vencer, só por si, é pouco. Para recuperar a auto estima, os sócios e os simpatizantes, tanto ou mais que os três pontos, exigem empenho, concentração, competência e eficácia nos momentos decisivos. E, pedem, sobretudo, que não hajam encenações a desculpar lances canhestros a que são atreitos os incompetentes e inseguros.

              Inevitavelmente, Vítor Pereira, procederá a alterações na constituição da equipa relativamente ao jogo da Liga Europa. Num exercício de mera especulação sobre o que o nosso treinador irá fazer, quero crer que Otamendi e Guarin vão escapar ao veredicto espontâneo do júri do "tribunal" dos topo sul e norte e podem nem ver o relvado do banco. Moutinho? Desconheço o seu estado de espírito actual, mas não tem sido o Messinho a que nos ia habituando, e, Defour tem "preenchido a folha" com motivos interessantes, (o Standard de Liège é que está "à beira de um ataque de nervos"...).

              Na frente, nada de novo. Kléber, vai manter-se, apesar do Bigorna/Maciço, Valter, de seu nome "brazuca": precisa de tempo de jogo, anseia por mostrar serviço e é filho único para a Europa. Maicon ou Mangala, com o belga em alta cotação, Défour, e Belluschi, deverão ser chamados para provarem que o banco do FC Porto não é um qualquer BPN falido. Para além de outras, uma boa razão é que as características deste jogo se adequam às capacidades intrínsecas de cada um.

              Vamos fazer o nosso trabalho e manter o PRIMEIRO lugar do campeonato, com o "cabaço" intacto desde Abril do ano transacto.

            

             



           

3 comentários:

  1. Meu caro :

    ..."Vamos fazer o nosso trabalho e manter o PRIMEIRO lugar do campeonato"...


    É o que todos esperamos !

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Boa noite,

    Chegou a hora da verdade, a hora da equipa mostrar o que vale, e fazer por merecer o apoio dos seus adeptos.

    Espera-se um FC Porto de orgulho ferido, e por conseguinte aguerrido, sério, lutador, e desde o apito inicial a procurar a vitória.

    Não há margem para perder mais pontos em casa.

    Temos de vencer!

    Jogue quem jogar, tem de dar tudo pela camisola, deixar os tiques de vedetismo de lado, porque só com a humildade, querer e espírito de equipa se tem sucesso.

    Abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Depois do surpreendente empate em casa frente ao APOEL para a Liga dos Campeões a nossa equipa respondeu esta noite da melhor forma às críticas apontadas depois da exibição de quarta-feira.

    Uma goleada é sempre positiva, não só pelo número de golos apontados mas também para a moral da equipa, e depois de um deslize inesperado é o resultado perfeito.

    Um abraço

    ResponderEliminar