segunda-feira, novembro 12, 2012

POUCA CARUMA PARA GRANDE MAGUSTO.


*
  Liga Zon Sagres
     Estádio do Dragão - Porto - Portugal
     2012.11.11


           FUTEBOL CLUBE DO PORTO, 2 - Académica de Coimbra, 1

  
                              Não terá sido a que se esperava a exibição do Futebol Clube do Porto realizada ontem à noite no Estádio Mais Belo da Europa, na partida contra a Académica, mas, a justiça da vitória é inquestionável. Não foi um grande magusto em dia de São Martinho porque escassearam as castanhas e a caruma para as assar.

                              O ritmo em que decorreu o primeiro tempo foi muito baixo, os jogadores do FCP saiam mal nas tentativas das jogadas individuais, raramente um passe chegava ao destino pretendido facilitando a eficácia do bloco defensivo dos estudantes e as suas incursões ao meio campo portista, sobretudo por intermédio de Wilson Eduardo, a obrigar a defesa da casa a trabalho atento para evitar surpresas. Neste período foi Jackson que esteve em maior evidência apesar de não ter estado feliz numa tentativa de chapéu ao Ricardo que saíra da baliza um tanto precipitadamente e ao rematar por alto uma chance de chegar ao golo.

                          E pouco mais se terá visto neste fraco período inicial da partida, sobrando alguma apreensão quando os jogadores desceram aos balneários sobre o que poderia vir a acontecer na segunda parte com a Académica a reforçar ainda mais as suas linhas defensivas e o FC Porto a manter o torpor demonstrado ao longo dos primeiros quarenta e cinco minutos.

                           No regresso ao relvado foi  notória a mudança de atitude. Mais velocidade de execução com a bola, rapidez na movimentação e precisão no passe. O jogo mudara e isso era patente. Lucho descobre James, na direita, este entra na área bem determinado e fuzila a baliza pelo poste mais próximo, sem hipótese para Ricardo: 1-0, estava aberto o ferrolho. O assédio à baliza dos académicos mantinha-se e, João Moutinho, inspirado, desfere cá de fora um excelente remate de pé direito e eleva para 2-0 o marcador. Ficava decidido o jogo? Nem pensar.

                           Porquê, então? 

                            O FC Porto tirou de novo o pé do pedal e a Académica reagiu e alterando um pouco a estratégia do seu jogo fazendo entrar jogadores com características mais agressivas e rápidos. Wilson continuava muito interventivo e aos 73' a Académica esteve à beira de marcar. Atsu, que substituíra Varela, entrou muito rápida na área e, perante Ricardo, falhou uma grande oportunidade de fazer o 3-0. Aos 79', um remate feito à distância pelo melhor jogador da Académica no jogo de ontem, Wilson Eduardo (quem haveria de ser?), bateu Helton, traído pelo efeito que a bola adquiriu ao bater na relva deixando que ela lhe passasse por baixo. Pareceu mal batido, mas são contingências que acontecem aos melhores.

                            Aos 85', Castro entrou para o lugar de Moutinho e aos 91, Kelvin foi ocupar o lugar de James.

                            Pelo que acima vai referido o Futebol Clube do Porto não produziu uma grande exibição, mas fez o que era preciso para ganhar e mereceu a vitória. Há certamente atenuantes para a falta de brilhantismo a que já nos vem habituando, mas o jogo menos conseguido da noite de ontem não apagam o que já é evidente esta época: o Futebol Clube do Porto está na rota certa para se tornar uma equipa temível, cada vez mais consistente e personalizada capaz de agradar aos seus simpatizantes e associados.

                           Individualmente, Otamendi e Mangala, na defesa, excelentes;  Défour, Lucho e João Moutinho (na segunda parte até merecia que dissesse João Messinho), andaram perto do bom; na frente, foi James, o mais brilhante e decisivo, com Jackson logo atrás, mesmo que não tivesse mantido a série dos remates certeiros. Varela, não me pareceu muito feliz, mas, mesmo assim, cumpriu. Castro, dentro do que se lhe conhece, e, Atsu, como sempre muito rápido terá de ser mais eficaz para se tornar um caso sério.

                                 Hugo Miguel não complicou.

                           Continuamos em primeiro e isso é bom.

                            

                      
                             
  

2 comentários:

  1. Exactamente, não foi brilhante, mas deu para o gasto e foi justo.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Amigo :

    ..."Continuamos em primeiro e isso é bom."...



    Abraço

    ResponderEliminar