domingo, janeiro 26, 2014

INSUPERÁVEIS, NOS DESCONTOS!

Taça da Liga
3ª Fase - 3ª Jornada
Estádio do Dragão, Porto, Portugal
2014.01.25


O Jogo

O Jogo



                                         
                                        FC PORTO, 3 - Marítimo, 2

                 De novo nos descontos, uma vitória feliz mas justa, com o valor individual dos jogadores do FC Porto a resolver o que o colectivismo do conjunto não conseguiu em 95' de jogo!

                Apesar da imprevisibilidade que caracteriza uma partida de futebol muito poucos teriam previsto um jogo como aquele que se viu ontem à noite no Estádio mais belo da Europa, com a equipa da casa que era tida como favorita para vencer a partida a ter que superar um adversário que lhe criou dificuldades que a maior parte dos que ali actuam não conseguem apresentar.

                O FC Porto apresentou-se com o seu melhor plantel nominal, não podendo já contar com Lucho Gonzalez, que rumou à "terra prometida" dos petrodolares. Fez bem Paulo Fonseca, por muitas razões, algumas delas bem claras em relação àquilo que se verificou no relvado. Perante um adversário que nem se apresentou no encontro com o seu, teoricamente, melhor plantel foi capaz de estar por cima do jogo na maior parte do tempo, ter criado as mais flagrantes oportunidades de golo da partida e instalar na equipa tri-campeã nacional um estado de desorientação quase caótico a partir da altura em que o marcador registava um escandaloso 1-2, aos 34' do tempo decorrido na partida.

                Os madeirenses não se limitaram a preencher todo o seu espaço defensivo com o habitual "sistema do autocarro", assumindo o combate no território dos Dragões onde ganhavam quase sempre a bola aos nossos jogadores e limitavam a fase de construção habitual das jogadas de ataque dos donos da casa. Quaresma e Varela nas alas pareciam ter grilhetas nos pés, Fernando não via por onde meter a bola, Defour baralhado e Carlos Eduardo a foguetear sem estouros audíveis. A defesa tremia como varas verdes, consentia espaços e Danilo Dias, qual diabo à solta, aparecia em todo o lado onde não se via um defesa dos nossos a sair-lhe ao caminho! Foi assim no 1-1 e repetido no 1-2, com Maicon e Danilo a danças sozinhos!

               Paulo Fonseca tomou medidas e mexeu quanto pôde. Mas o cérebro dele deveria estar a passar por momentos idênticos aos de um estudante num exame de Matemática com a prova em branco a três minutos do fim da prova. Sai, Defour, entra Ghilas, Quintero, ne vez de Maicon. Aos 40' já tinha Josué substituído Fernando, por lesão.

              Massacre total nos últimos minutos, que foram realmente dramáticos quando Ghilas, pronto para desempatar, é derrubo dentro da área. Penálti indiscutível, que Josué apontou com precisão e força. 

             Passámos, mas não descansámos.

             De Manuel Mota, duas falhas borraram a folha que poderia ter sido limpa. Um penalti negado por derrube a Carlos Eduardo e o ter dado 4 (!!!) minutos de compensação quando, no mínimo teriam de ser o dobro.  


            Golos: 1-0, aos 20', por Jackson Martínez, na sequência de remate de Defour defendido para a frente; 1-1, no minuto seguinte, numa jogada em rápido contra-ataque concluída de forma em tudo idêntica do golo do FC Porto; 1-2, aos 34, da forma já descrita no texto; 2-2, aos 85' por Carlos Eduardo, emendando de cabeça um pontapé de canto marcado por Josué ao segundo poste; 3-2, por Josué, na transformação de uma grande penalidade por derrube a Ghilas quando este frente ao guarda-redes do Marítimo de aprestava para fazer golo. 

              
            Não arrisco apreciações sobre o desempenho individual dos nossos jogadores. Não consegui distinguir quais deles saíram da mediania. Fabiano não foi culpado nos golos. 


    
            Espantou-me o "desassossego" manifestado pelos jogadores, a indefinição da ideia de jogo que a equipa levou para o relvado, a total ausência de sincronismo entre os sectores. Valeu a intenção de fazer melhor e o esforço em mudar as coisas.

           No Funchal terá que ser muito diferente. Será!

          LINHA: Fabiano, Danilo, Maicon (Quintero), Mangala, Alex Sandro, Defour (Ghilás), Fernando (Josué), Carlos Eduardo, Varela, Jackson Martínez e Quaresma.

              


               

1 comentário:

  1. Amigo :

    ..."Passámos, mas não descansámos.!...

    Pois , não !

    Abraço

    ResponderEliminar